Cardiopatia Congênita: teste do coraçãozinho é decisivo no diagnóstico precoce

Apesar da estatística assustadora de que uma em cada 100 crianças nascem com cardiopatias congênitas, em torno de 30% destes recém-nascidos ainda recebem alta hospitalar sem o diagnóstico, e evoluem para choque, hipóxia ou óbito precoce, antes de receber tratamento adequado. Na maioria das Unidades Neonatais, a alta hospitalar é realizada entre 36 e 48 horas de vida. E justamente nesta fase, a manifestação clínica das cardiopatias críticas pode ainda não ter ocorrido, principalmente nas cardiopatias com fluxo sistêmico dependente de canal arterial. Além disso, a ausculta cardíaca pode ser aparentemente normal nesta fase. E o chamado Teste do Coraçãozinho bem executado pode ser decisivo neste período.

O diagnóstico precoce é fundamental, pois pode evitar choque, acidose, parada cardíaca ou agravo neurológico antes do tratamento da cardiopatia. As cardiopatias congênitas representam cerca de 10% dos óbitos infantis e cerca de 20 a 40% dos óbitos decorrentes de malformações. Melhorar o diagnóstico destas cardiopatias poderá reduzir a taxa de mortalidade neonatal.  No grupo das cardiopatias congênitas críticas ocorre um mistura de sangue entre as circulações sistêmica e pulmonar, o que acarreta uma redução da saturação periférica de O2. Por isso, a aferição da oximetria de pulso de forma rotineira em recém-nascidos aparentemente saudáveis e com idade gestacional maior que 34 semanas tem mostrado uma elevada sensibilidade e especificidade para detecção precoce destas cardiopatias.

 O teste da oximetria (Teste do Coraçãozinho) faz justamente a aferição da oximetria de pulso, no membro superior direito e em um dos membros inferiores.  Para a adequada aferição, é necessário que o recém-nascido esteja com as extremidades aquecidas e o monitor evidencie uma onda de traçado homogêneo. Deve ser feito entre 24 e 48 horas de vida, antes da alta hospitalar.

O resultado esperado na aferição,  é a saturação periférica maior ou igual a 95% em ambas as medidas e diferença menor que 3% entre as medidas do membro superior direito e membro inferior. Uma medida anormal recomenda nova aferição a ser realizada após 1 hora. Caso o resultado se confirme, um ecocardiograma deverá ser realizado dentro das 24 horas seguintes.

Luta pela diagnóstico precoce

O dia 12 de junho marca o Dia Nacional de Conscientização da Cardiopatia Congênita. Em Juiz de Fora há uma regional da ONG Pequenos Corações, baseada em São Paulo, que luta pela causa e realiza parcerias com hospitais e entidades que incentivam ações de sensibilização. O Teste do Coraçãozinho é obrigatório na cidade por força de lei municipal, desde 2012, em todas as maternidades públicas e privadas. É totalmente gratuito pelo SUS e coberto pelo rol de procedimentos da agência reguladora da saúde suplementar.

Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria. 

Como Chegar Marker

Urgência, emergência,
atendimento ambulatorial e visitas a unidades fechadas (utis)

Rua Vicente Beghelli, 315

pacientes internados, visitantes e acompanhantes

Avenida Presidente Itamar Franco
(antiga Av. Independência), 4000

fornecedores e entregas

Rua Antônio Marinho Saraiva, s/n

Heliponto

Latitude: 21º 46' 862" Sul
Longitude: 043º 21' 887" Oeste

Copyright © 2004 Hospital Monte Sinai. Todos os direitos reservados. Endereço: Av. Presidente Itamar Franco 4000, Cascatinha - Juiz de Fora/ MG CEP: 36033-318 / Telefone: (32) 2104-4455 / (32) 2104-4000

Quality Safaty - Hospital Monte Sinai
Desenvolvido por: Logohandcom2