Dia de Luta contra as Hepatites Virais: saiba como se proteger

Em todo o mundo, o dia 28 de julho é um marco como Dia de Prevenção às Hepatites Virais e, em alguns locais, há campanhas semanais ou de sensibilização mais amplas como o Julho Amarelo. A importância da patologia e da prevenção é um alerta de especialistas, pois a maior parte de suas causas está ligada a questões como falta de saneamento básico, falta de higiene e sexo sem proteção, que aumentam os riscos de transmissão das hepatites.


O hepatologista Aécio Meirelles, que integra o Grupo do Fígado do Monte Sinai e o novo Serviço de Transplante Hepático do Hospital, explica que Hepatite viral é um problema que acomete muitas pessoas sem que elas saibam, a hepatite é uma inflamação do fígado, que leva à degeneração das células hepáticas. Na infecção por vírus, há sete diferentes tipos de hepatites, classificadas como A, B, C, D, E, F e G. As mais comuns são a hepatite A, B e C, pelo número de incidência da doença por estes vírus. Portanto, lembra o médico, informação e prevenção são palavras-chave nesta luta.


Como reconhecer os sintomas:
Em geral, a hepatite viral aguda não apresenta sintomas, mas há sinais de alerta:
•    Febre
•    Náusea
•    Vômito
•    Mal-estar
•    Desconforto abdominal
•    Falta de apetite
•    Urina escura, cor de coca-cola
•    Fezes esbranquiçadas
•    Pele e olhos amarelados.


Sendo que o principal sinal para diagnosticar a doença está no último item da lista (pele e olhos amarelos). Neste caso é fundamental procurar um médico.


Como se adquire as hepatites:
A hepatite A, a mais conhecida, é transmitida pela ingestão de água e alimentos contaminados e pelo contato pessoal.


A do tipo E, é transmitida de modo semelhante àquela do tipo A. Tanto a hepatite A como a E podem apresentar surtos raros de insuficiência hepática grave e a Hepatite E pode apresentar evolução pior em 20% dos caso em gestantes e estando, ainda, relacionada com evolução crônica em indivíduos imunossuprimidos e em transplantados de fígado, rim e pâncreas-rim.


Já as hepatites B e C são transmitidas pelo contato com sangue contaminado, por meio de seringas compartilhadas, alicates de cutícula, materiais cirúrgicos contaminados, entre outros. O tipo B pode ainda ser transmitido pelo contato sexual e materno fetal, por isso o uso de preservativos e vacinação neonatal é altamente recomendado, o mesmo ocorrendo com a D. Já a Hepatite C, tem baixo risco de transmissão sexual e materno fetal, a não ser nos portadores de Vírus C e HIV concomitantes. Tanto as hepatites preferentemente, como as hepatite B e B-D podem evoluir para doenças crônicas e cirrose hepática, culminando com carcinoma hepatocelular na evolução mais grave. A hepatite F foi detectada apenas em macacos da espécie Rhesussp, não há indício de contaminação em seres humanos. E a G, a identificação mais recentemente, se mostra fruto de um vírus mutante da Hepatite C, tendo sua transmissão por contato sanguíneo também, mas ambas não apresentam repercussões clínicas importantes.


Como tratar:
O tratamento da hepatite aguda viral é apenas minorar os sintomas, com uso de analgésicos e antieméticos. Raramente, há evolução para forma fulminante a qual, em geral, demanda transplante hepático de urgência, embora a recuperação com tratamento clínico ocorra. No entanto, devido a gravidade dos casos estes pacientes necessitam ser atendidos em locais com centro de transplante hepático. 
Em adultos, as mais frequentes causas de doença hepática viral que leva a uma necessidade de um transplante de fígado é a infecção crônica com vírus da hepatite C e também o tipo B. Então, prevenir é o melhor remédio, mas só com orientação médica é possível tratar a doença, reforça Aécio Meirelles. 


Dicas de prevenção:
•    lave sempre as mãos;
•    lave frutas e legumes antes de consumir;
•    tenha uma rede de esgoto adequada aos padrões de higiene;
•    mantenha-se alerta em casos de enchentes;
•    não partilhe objetos cortantes e perfurantes (especialmente em salões de beleza), nem instrumentos usados para a preparação de drogas injetáveis;
•    use sempre preservativo nas relações sexuais .


A realização de tatuagens, a colocação de ‘piercings’ e de tratamentos com acupuntura só deve ser feita se os instrumentos utilizados estiverem adequadamente esterilizados.


 

Como Chegar Marker

Urgência, emergência,
atendimento ambulatorial e visitas a unidades fechadas (utis)

Rua Vicente Beghelli, 315

pacientes internados, visitantes e acompanhantes

Avenida Presidente Itamar Franco
(antiga Av. Independência), 4000

fornecedores e entregas

Rua Antônio Marinho Saraiva, s/n

Heliponto

Latitude: 21º 46' 862" Sul
Longitude: 043º 21' 887" Oeste

Copyright © 2004 Hospital Monte Sinai. Todos os direitos reservados. Endereço: Av. Presidente Itamar Franco 4000, Cascatinha - Juiz de Fora/ MG CEP: 36033-318 / Telefone: (32) 2104-4455 / (32) 2104-4000

Quality Safaty - Hospital Monte Sinai
Desenvolvido por: Logohandcom2