Hipertensão e emergência: saiba como agir

O Dia de Combate à Hipertensão é, principalmente, uma lembrança à importância de se prevenir e tentar evitar a doença. Em tempos de recordes de obesidade e grande estresse, como o Brasil vive, é importante também reconhecer uma crise hipertensiva e quando estes sintomas precisam de maior atenção, tornando-se casos de urgência ou emergência.

As principais diferenças entre as emergências, urgências hipertensivas e, ainda, as pseudocrises hipertensivas, sempre recomendam a procura de um serviço especializado, pois seu controle ou início de um tratamento é fundamental para evitar complicações ainda mais sérias. São entendidas como emergências hipertensivas as situações em que o indivíduo apresenta risco imediato de morte ou de lesão definitiva de órgãos, indicando intervenção médica imediata e intensiva. Ela se apresentam tanto como neurológicas (AVC, por exemplo) quanto cardiovasculares (infarto agudo do miocárdio, dissecção da aorta, dentre outras) e até renais, obstétricas ou cirúrgicas.

Já as urgências hipertensivas são condições em que, mesmo com pico de pressão arterial, não há risco imediato de morte, mas, caso sejam dispensados cuidados médicos, poderá haver comprometimento clínico associado, como insuficiência cardíaca. O controle da pressão precisa ser realizado de forma menos intensiva, mas dentro de até 24 horas.

Há uma convenção para caracterizar o termo crise hipertensiva são as elevações inadequadas da pressão arterial, em geral acima de 200 ou 180 mmHg para pressão sistólica e 120 ou 110 mmHg para pressão diastólica, dependendo da referência. De forma leiga, o ideal é a pressão 12 por 8. Grandes variações para menos ou mais devem ser levadas em consideração.

Nas crises hipertensivas sempre há risco de desenvolvimento de alguma complicação clinica associada ao aumento abrupto dos níveis de pressão arterial. Mas elas podem se apresentar também como pseudocrises hipertensivas, quando, apesar de se verificar elevações significativas, não se pode estabelecer relação causal entre a hipertensão e a manifestação do desconforto, não estando relacionada a risco de morte, disfunção permanente de órgão-alvo ou descompensação clínica.

As pseudocrises são muito comuns nas salas de emergência. Em geral o paciente se queixou de dores de cabeça (cefaléia) ou tonturas e, decidindo medir sua pressão, surpreendendo-a em níveis elevados. Causas comuns do desenvolvimento dessas pseudocrises são interrupção inadequada do uso da medicação anti-hipertensiva, utilização de drogas que contenham vasoconstrictores e o estresse emocional.

Mas, independente do tipo de crise, uma significativa variação da pressão arterial sempre é caso para avaliação por um médico. O Monte Sinai reviu sua atuação emergencial para receber este tipo de paciente em seu prontoatendimento, criando um setor dedicado a este tipo de assistência. Ao estruturar sua Emergência de Alta Complexidade, o Hospital implementou protocolos específicos, visando ter um padrão de recepção, avaliação e condução do paciente, a fim de evitar que ele deixe o hospital sem a identificação precisa de uma emergência cardiológica ou não. A identificação dos níveis de pressão arterial é um dos fatores básicos tanto para a busca por este tipo de atendimento, quanto é um dos sintomas mais importantes a serem considerados neste ambiente.

Conheça um pouco mais do setor em Nova Emergência e cuide de sua pressão arterial. 

Como Chegar Marker

Urgência, emergência,
atendimento ambulatorial e visitas a unidades fechadas (utis)

Rua Vicente Beghelli, 315

pacientes internados, visitantes e acompanhantes

Avenida Presidente Itamar Franco
(antiga Av. Independência), 4000

fornecedores e entregas

Rua Antônio Marinho Saraiva, s/n

Heliponto

Latitude: 21º 46' 862" Sul
Longitude: 043º 21' 887" Oeste

Copyright © 2004 Hospital Monte Sinai. Todos os direitos reservados. Endereço: Av. Presidente Itamar Franco 4000, Cascatinha - Juiz de Fora/ MG CEP: 36033-318 / Telefone: (32) 2104-4455 / (32) 2104-4000

Quality Safaty - Hospital Monte Sinai
Desenvolvido por: Logohandcom2