“Eu sou uma antes e outra depois da plasmaferese”

Marisa Pereira de Brito convive com uma doença autoimune há 16 anos, mas há dois e meio, encontrou a luz no fim do túnel. “Quando fui diagnosticada com Miastenia Gravis, uma doença incurável, degenerativa progressiva, passei a depender dos familiares para me movimentar e alimentar, de cadeiras de banho e cheguei a ao ponto de não segurar uma caneta, uma colher. Com minha última crise, fiquei na cadeira de rodas três anos, seis meses e 18 dias. Mas, hoje, minha realidade é outra. Eu sou uma antes da plasmaferese e outra depois”, conta ela, alegre e brincando com a equipe, antes de mais um procedimento que lhe custa algumas horas de tratamento com um cateter interno, em seis dias alternados, realizado a cada mês. 
A Plasmaferese Terapêutica é um procedimento realizado num equipamento muito específico, com método semelhante à hemodiálise. No Monte Sinai, é feito no Centro de Transplante de Medula Óssea e Terapia Celular (CTMO), único na região a disponibilizar a terapia. A máquina de plasmaferese remove o plasma do sangue, levando consigo as substâncias indesejáveis que estão causando doenças. Em agosto, no hospital, Marisa estreou o novíssimo equipamento Spectra Optia® Apheresis System – Terumo BCT, a mais moderna geração do sistema. 
O hematologista Leandro Dutra Borges de Almeida é o responsável pelo tratamento. Ele realizou as primeiras sessões no Monte Sinai há três anos, num caso de Síndrome de Guillan-Barré num militar que estava muito grave, na UTI. Ele, hoje, é maratonista e voltou a tocar na banda de sua corporação. O neurologista Bruno Barbosa, acompanha Marisa nos últimos anos e também o procedimento para o primeiro paciente do hospital. Ele explica que a Guillan-Barré é a síndrome neurológica de origem autoimune com mais indicação para plasmaferese. Ela ficou mais conhecida há alguns anos, como uma das consequências da Zika, mas pode ameaçar a vida quando atinge os músculos da respiração. 

Doença autoimune degenerativa

Na Miastenia Gravis, os chamados autoanticorpos atacam células saudáveis do organismo por engano, por confundi-las com agentes invasores, como vírus e bactérias.Ela promove um distúrbio crônico neuromuscular caracterizado pela fraqueza muscular e fadiga rápida. “Fiz vários tratamentos, mas continuava ainda bem debilitada até que o Dr. Angelo (Atalla – responsável pelo CTMO) sugeriu tentarmos a plasmaferese. E ‘o Plasma’ foi uma bênção na minha vida. Hoje, tomo meu banho sozinha, cuido da minha casa, cuido da minha mãe. Não consigo, claro, como uma pessoa normal, com rapidez, mas no dia  que mastiguei um chiclete de novo foi ótimo, liguei para o CTMO para contar”, relata Marisa”.
“Na plasmaferese realizamos a troca do plasma, a parte acelular do sangue, aquele líquido amarelo, onde circulam as substâncias que estão no sangue, entre eles os anticorpos, hormônios e mediadores imunológicos. O mesmo volume de plasma que é eliminado na plasmaferese precisa ser reposto com bolsas de plasma fresco ou albumina, dependendo da patologia a ser tratada. Isso é feito por um acesso venoso para que possamos levar o sangue até a máquina e depois trazê-lo de volta ao paciente. É importante entender que a plasmaferese remove as proteínas indesejáveis, mas não influencia na sua produção, por isso, o tratamento neste caso da Miastenia é periódico”, explica o hematologista Leandro Borges.
Entre as diversas doenças com possibilidade de tratamento pelo procedimento ele cita Púrpura trombocitopênica trombótica, Guillan-Barré, Polirradiculopatia Desmielinizante Crônica, Macroglobulinemia de Waldenstron, Crioglobulinemia e em algumas situações de rejeição de transplante de órgãos, de Granulomatose de Wegener, de síndrome de Goodpasture, de Lúpus, de Esclerose múltipla,  de glomeruloesclerose, dentre outras doenças.
Marisa faz outros exames e rotinas de avaliação permanentes e sabe que a doença não tem cura. “Tenho consciência de que a plasmaferese é um tratamento invasivo, sim, mas o resultado é um espetáculo. Já começo a sentir pequenos ‘flashs’ de debilidade quando fico 15 ou 20 dias sem o tratamento (o intervalo é maior entre as sessões quando há intercorrências, como infecções urinárias). Por isso, volto feliz a cada sessão, pois além de contar com a equipe (do CTMO) show de bola que tenho aqui no Monte Sinai, tenho outra bênção na minha vida, Dr. Bruno Barbosa, neurologista que me acompanha atualmente”, faz questão de ressaltar. “Sou toda pela bandeira do ‘plasma’. Espero que meu depoimento atinja a todos que precisem, pois a qualidade de vida que ganhei supera todas as dificuldades do tratamento”, conclui ela. 

Ganhos tecnológicos e mais  segurança 

Como a versão antiga da máquina de Plasmaferese, da Terumo BCT, vai sair de linha, a tendência mundial é a migração. O novo equipamento só está disponível há dez anos e tem uma série de vantagens, com ganhos tecnológicos. Traz mais eficiência operacional, mais segurança, mas não muda o processo. No Brasil, havia 150 exemplares da máquina antiga, o “up grade” para a Optia começou há seis, e só há outros 45 equipamentos já em uso.a principal vantagem é a facilidade operacional, informações em uma única tela, com configuração ao idioma do usuário e é totalmente ’touch’, com controles dispostos numa tela de fácil entendimento. “Como não tinha tantos recursos informatizados, os alarmes da antiga não eram tão sensíveis. A nova tecnologia traz mais segurança ao processo e minimiza a possibilidade de erro operacional. conta Carla Tschudar, especialista clínica da fabricante que passou uma semana treinando a equipe do CTMO para utilização do equipamento. 
A Spectra Optia® Apheresis System é usada também nos procedimentos de Transplante de Medula Óssea (Coleta de Células Mononucleares Contínua - CMNC), no caso do tipo autólogo. Ela pode ampliar ainda mais o espectro dos tratamentos e traz muitos valores agregados. Foi usada pela primeira vez com Marisa e a equipe destacou a vantagem do menor tempo gasto na sessão realizada na paciente. 

Informações e agendamento: (32) 2104-4238 | tmo@hospitalmontesinai.com.br

Como Chegar Marker

Urgência, emergência,
atendimento ambulatorial e visitas a unidades fechadas (utis)

Rua Vicente Beghelli, 315

pacientes internados, visitantes e acompanhantes

Avenida Presidente Itamar Franco
(antiga Av. Independência), 4000

fornecedores e entregas

Rua Antônio Marinho Saraiva, s/n

Heliponto

Latitude: 21º 46' 862" Sul
Longitude: 043º 21' 887" Oeste

Copyright © 2004 Hospital Monte Sinai. Todos os direitos reservados. Endereço: Av. Presidente Itamar Franco 4000, Cascatinha - Juiz de Fora/ MG CEP: 36033-318 / Telefone: (32) 2104-4455 / (32) 2104-4000

Quality Safaty - Hospital Monte Sinai
Desenvolvido por: Logohandcom2