Anatomia Patológica

O Serviço de Anatomia Patológica do Hospital Monte Sinai foi o primeiro laboratório de Juiz de Fora a emitir laudo com imagem. Oferece aos pacientes e parceiros, estudo de peças cirúrgicas, biópsias, citologia líquida, captura híbrida (método mais sensível para detecção do HPV) citologia cervicovaginal e por punção, exame peroperatório (congelação), imunoistoquímica e imunofluorescência.

Sempre visando o bom atendimento e o diagnóstico preciso, implantamos um sistema de dupla checagem de todo o material cirúrgico (pelo menos dois médicos analisam o material e elaboram o laudo em conjunto) e um programa de revisão sistematizada de citologias, com todas as citologias suspeitas sendo vistas e checadas por pelo menos dois médicos, além de uma checagem em 10% dos resultados negativos.

Mantemos parceria com especialistas do país e exterior, participamos, com proficiência, do Programa de Incentivo à Qualidade, da Sociedade Brasileira de Patologia.

Horário de atendimento ao público (Unidade Monte Sinai):

Segunda à sexta-feira das 8h ás 18h e sábado das 8h ás 11h.

Quem é o patologista?

Patologia é uma especialidade médica dedicada à analise morfofuncional do paciente que poderá determinar um curso de ação específico do tratamento, além de estabelecer o prognóstico do paciente. O médico patologista analisa a característica estrutural do tecido e as características morfológicas das células, sempre associando os achados aos informes clínicos, a aparência dos exames radiológicos ou endoscópicos para chegar a uma conclusão e então emitir o laudo.

Exames disponíveis

Análise de biópsia/peça cirúrgica

O exame anatomopatológico se inicia com análise macroscópica do material enviado, selecionando o material que será examinado ao microscópio, e obtêm importantes dados para que seja emitido o laudo. Por exemplo, verifica-se o tamanho de um tumor de mama, até onde este invade, as áreas com aspecto mais agressivo. Um exame macroscópico bem feito e fundamental para que a análise microscópica seja satisfatória.

Depois de feita a macroscopia, o material passa por um processamento com uma série de tratamentos, que preparam o material para que este seja posicionado adequadamente em um bloco de parafina, da onde se extraem cortes finos (com cerca de 0,002 milímetros) que são dispostos em uma lâmina de vidro e corados pelo método de Hematoxilina e Eosina (H.E.), que é a coloração de rotina para a análise microscópica.

Em algumas situações é necessário além do H.E. usar um recurso que se chama coloração histoquímica especial (que recebe este nome por não ser de rotina em todos os exames). Por exemplo, para se pesquisar a presença de H. pilory em biópsias endoscópicas utilizamos o giemsa, para se pesquisar fungo Grocott e bacilos álcool-ácido resistentes FITE, além de outras aplicações que diferentes métodos tem.

Depois destas etapas as lâminas são analisadas por um médico patologista com auxílio de um microscópio que aumenta em até 1000X a área examinada.

O exame é checado por outro especialista. Se houver 100% de concordância é emitido o laudo. Em casos discordantes, um terceiro ou até um quarto especialista é consultado, podendo o material ser enviado para médico de referência na área, para confirmação.

No laboratório, da entrada do material à emissão do laudo, o material é sempre analisado por um médico especialista.

Rotineiramente, da entrada do material no laboratório à emissão do laudo, o processo leva cerca de três dias úteis para biópsias simples e, de quatro a cinco dias úteis para peças cirurgicas.

Análise de citologia

A citologia pode ser empregada como método de screening (por exemplo: o exame cérvicovaginal preventivo) ou como tentativa diagnóstica menos invasiva do que a biópsia (por exemplo: punção por agulha fina de tireóide). Um exame citológico bem feito, bem distendido e bem corado é uma ferramenta excelente para se decidir que conduta tomar com o paciente, porém ele tem seus limites. Existem casos em que somente a análise das células é insuficiente, sendo necessário avaliação arquitetural para se chegar a uma conclusão.

No laboratório, 100% dos exames citológicos são vistos por médicos especialistas, com checagem de todos os exames suspeitos para positividade, além de revisão de pelo menos 10% dos negativos.

Rotineiramente, da entrada do material no laboratório à emissão do laudo, o processo leva cerca três dias úteis.

Imunoistoquímica

É complementar ao exame de rotina. O exame é feito utilizando-se anticorpos contra antígenos específicos de organelas celulares ou seus produtos. A imunoistoquímica é um método extremamente útil. Ela pode ser empregada como auxiliar ao diagnóstico (por exemplo: em linfomas, atualmente é necessário sempre se pesquisar o imunofenótipo para se classificar corretamente) ou como determinar que tipo de tratamento irá beneficiar o paciente (por exemplo: pesquisa de hormônios em câncer de mama). Hoje, é fundamental que um laboratório de patologia possa contar com o recurso da imunoistoquímica.

Rotineiramente, da entrada do material no laboratório à emissão do laudo, o processo leva cerca de 12 dias úteis.

Como Chegar Marker

Urgência, emergência,
atendimento ambulatorial e visitas a unidades fechadas (utis)

Rua Vicente Beghelli, 315

pacientes internados, visitantes e acompanhantes

Avenida Presidente Itamar Franco
(antiga Av. Independência), 4000

fornecedores e entregas

Rua Antônio Marinho Saraiva, s/n

Heliponto

Latitude: 21º 46' 862" Sul
Longitude: 043º 21' 887" Oeste

Copyright © 2004 Hospital Monte Sinai. Todos os direitos reservados. Endereço: Av. Presidente Itamar Franco 4000, Cascatinha - Juiz de Fora/ MG CEP: 36033-318 / Telefone: (32) 2104-4455 / (32) 2104-4000

Quality Safaty - Hospital Monte Sinai
Desenvolvido por: Logohandcom2