Henrique, um dos nossos pequenos heróis: 73 dias de UTI, sem intercorrências e sem sequelas

“Mãe calma, bebê calmo” este conselho da equipe de Enfermagem da UTI Neonatal fez toda a diferença na experiência vivida por outra técnica de Enfermagem, Taislaine Geisa Figueiredo, 28 anos, que passou pela difícil saga de ser mãe de UTI. “Eu fiquei muito apavorada, porque o Henrique era muito pequenininho e, nos primeiros dias, não ganhava peso, chegou a 720 gramas. Porém a orientação valeu demais, porque ele logo começou a se recuperar”.

O pequeno Henrique, prematuro extremo, é nosso personagem especial de novembro, Mês da Prematuridade. A mãe Tais, como é mais conhecida, é técnica de Enfermagem, lotada no Centro Cirúrgico, completando, em dezembro, três anos de Monte Sinai. Ela narra o susto de um parto prematuro e toda a angústia de esperar pela felicidade da alta da UTI Neonatal. Fala de seu aprendizado e de todo o carinho dos colegas recebido neste período difícil como mãe de UTI.

Tais precisou de internação a primeira vez com 21 semanas de gestação, pois ao fazer o ultrassom morfológico foi identificado que o colo do útero estava abrindo e ela já estava com contrações. Foi feita uma cerclagem (procedimento que visa evitar que o bebê nasça prematuro e garanta uma gravidez mais segura). Mas com 26 semanas, ela voltou ao Hospital com contrações, foi medicada e passou mais alguns dias na Maternidade. Um novo ultrassom, identificou uma perda de líquido significativo que colocava em risco o bebê. E, assim nasceu Henrique, de parto cesáreo com 26 semanas e seis dias de gestação, prematuro extremo, 865 gramas e 33 centímetros.

Nos primeiros dias na UTI Neonatal, com a tranquilidade restaurada pelas muitas orientações passadas pela equipe, a mãe viu Henrique passar dois dias entubado, mas logo ele começou a se desenvolver. Foram ainda 35 dias no CPAP e no total 73, internado. Ele foi ganhando peso e sem qualquer intercorrência, quando o bebê chegou a 1,2 kg eles puderam fazer o Método Canguru. “Poder pegar ele foi a experiência mais fantástica da minha vida!” Henrique já estava recebendo leite materno, mas precisou do apoio do Banco de Leite, pois o de Tais secou.

Ela conta que, mesmo vivendo o dia a dia do hospital, se surpreendeu: “Que atendimento! Que carinho e cuidado de toda a equipe, médicos, enfermeiros, fono, todos. O atendimento das pessoas da Maternidade foi excelente, mas nunca tive ideia de como era  trabalho das meninas da UTI! Elas me deixaram calma e, vendo de perto o atendimento dos plantões, fiquei impressionada. Eu ia lá todo dia, mas elas dão até colinho para os bebês das mães que, por serem outras cidades, não conseguem estar lá diariamente. Elas te orientam, dão excelentes conselhos. Foi demais!”

Tais e o marido, Marcelo de Oliveira Figueiredo, vão passar o Natal com o pequeno Henrique em casa.

       

Como Chegar Marker

Urgência, emergência,
atendimento ambulatorial e visitas a unidades fechadas (utis)

Rua Vicente Beghelli, 315

pacientes internados, visitantes e acompanhantes

Avenida Presidente Itamar Franco
(antiga Av. Independência), 4000

fornecedores e entregas

Rua Antônio Marinho Saraiva, s/n

Heliponto

Latitude: 21º 46' 862" Sul
Longitude: 043º 21' 887" Oeste

Copyright © 2004 Hospital Monte Sinai. Todos os direitos reservados. Endereço: Av. Presidente Itamar Franco 4000, Cascatinha - Juiz de Fora/ MG CEP: 36033-318 / Telefone: (32) 2104-4455 / (32) 3239-4455

Quality Safaty - Hospital Monte Sinai
Desenvolvido por: Logohandcom2